Como reduzir o crédito em 50% já hoje.

A actual crise económica e financeira que atingiu as grandes potências ocidentais tem-se reflectido com particular força sobre a classe média, enfraquecendo o poder de compra e aumentando as dificuldades do dia-a-dia. 

Muitas famílias têm recorrido cada vez mais ao crédito, mas neste contexto também se torna muito difícil, por vezes, dar resposta atempada às prestações desses empréstimos. Por isso, muitas vezes a única solução passa por reduzir créditos, procurando novas condições que agradem a ambas as partes. No entanto, apesar de ser do interesse da instituição financeira credora participar nessa renegociação, isso não significa que esse seja um processo fácil. Por exemplo, um crédito à habitação feito num a altura em que os spreads estavam baixos são difíceis de ser renegociados hoje em dia. Mas existe quase sempre uma margem negocial que permite estabelecer novas condições ao empréstimo contraído. Portanto, conheça de seguida 5 conselhos em como renegociar o seu crédito.
1. SEJA HONESTO
É muito importante ser honesto e não mentir ao seu gestor de conta. Apesar de tudo, a instituição financeira que concedeu o crédito não é seu inimigo e é de todo o seu interesse não antagoniza-la. Até porque ela tem a faca e o queijo na mão e até pode piorar a sua situação. Além disso, lembre-se que quanto pior for a sua situação, mais dependente estará na renegociação do empréstimo. Por isso, nunca esconda a verdade, abra o jogo e seja o mais sincero possível na busca por uma solução mais adequada às suas necessidades.

2. FAÇA AS CONTAS
Deve faze-lo sempre, tanto antes como durante o crédito contraído: seja rigoroso, controle os seus gastos e perceba até que ponto a sua condição financeira é viável. No momento de uma renegociação do crédito, perceber onde poderá fazer mais cortes é muito importante. Além disso, prova ao seu gestor de conta que tem o controlo da sua situação económica e mostra até onde está disposto a fazer sacrifícios para resolver a situação para benefício de ambas as partes. Contudo, seja sempre razoável e sensato.

3. REDUZIR AS TAXAS DE JURO
Num processo de renegociação de crédito, o mais importante não é conseguir mais tempo para pagar o que deve, mas sim conseguir taxas de juro mais baixas. Oriente a sua renegociação do empréstimo nesse sentido. Caímos muitas vezes na tentação de apenas estender o prazo de pagamento, mas na maioria dos casos isso não só não resolve o problema, como ainda o prejudica mais. No entanto, esta situação nem sempre é fácil de concretizar, acontecendo mais facilmente nos créditos pessoais do que nos de habitação, por exemplo.

4. MUDE DE VIDA
Não interessa nada renegociar as condições de um crédito se depois não alterar também os seus modos de vida, que o levaram à situação financeira anterior. Adquirir novas condições para um empréstimo poderá ser inútil se mantiver um nível de vida acima das suas possibilidades, com gastos exagerados que não consegue suportar. Por isso, manter um estilo de vida descontrolado irá leva-lo novamente ao ponto de partida, num futuro mais ou menos recente. É, portanto, fundamental modificar também os seus hábitos de consumo. 

5. INFORME-SE DAS CONDIÇÕES DE OUTROS BANCOS

Nem toda a gente sabe, mas é possível passar a sua dívida de uma instituição financeira para outra que lhe ofereça melhores condições. Por isso, antes de encetar uma renegociação, informe-se junto de outros bancos das condições oferecidas ao crédito. Além de ser uma forma de pressionar o seu credor, é também uma vantagem no momento da negociação, que lhe poderá permitir receber condições semelhantes. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Duvidas? Pergunte-nos.