7 Dicas para renegociar a dívida com o banco

Têm aumentado cada vez mais as situações de incumprimento para com as instituições bancárias. São muitas as razões que explicam essa tendência crescente e todas elas estão directa ou indirectamente relacionadas com a crise financeira e económica que, nos últimos anos, afecta o mundo ocidental em geral: a inflação, a desaceleração da economia, o aumento de desemprego ou os juros altos, por exemplo. Nessa altura, a primeira tendência é procurar uma nova fonte de financiamento e contrair um novo empréstimo.

No entanto, isso é um erro gravíssimo, uma vez que não só estará a empurrar o problema com a barriga, como estará a contrair outra dívida, a qual terá dificuldades em liquidar. Por isso, a sua melhor opção é renegociar o crédito com o banco, até porque também é do interesse da instituição. Confira de seguida 7 dicas para renegociar as suas dívidas com o banco da melhor forma.

1. ANALISE O CONTRATO
Antes de iniciar a renegociação com o seu banco, comece por analisar a fundo o seu contrato. Se possível, peça ajuda a um amigo advogado, por exemplo. É importante perceber se não existe nenhuma irregularidade, como por exemplo a cobrança de taxas a mais. Se detectar algo ilegal, faça imediatamente a sua denúncia ao Banco de Portugal. Esse é uma excelente arma para utilizar na renegociação posterior da sua dívida junto da instituição bancária.

2. SEJA REALISTA
Faça o trabalho de casa. É importante estar preparado para perceber que situações são realistas para a sua situação financeira quando chegar o momento de renegociar com o banco. Que interesse tem aceitar uma nova proposta se depois não a puder respeitar também? Assim, perceba bem até onde pode ir, faça contas ao seu orçamento familiar e prepare-se para negociar. Comece por contabilizar os seus gastos mensais aos quais não pode fugir (a renda de casa, a luz, a água...) e subtraia o total ao seu vencimento. Depois corte todos os gastos supérfluos ao máximo, como refeições fora de casa, compras desnecessárias ou mesmo tabaco e bebidas alcoólicas. O saldo final será o valor que deverá usar para negociar com o seu banco.

3. COMPARE AS CONDIÇÕES DE OUTROS BANCOS
É possível portar uma dívida para uma outra instituição bancária. Por isso, antes de iniciar a negociação com o seu banco, tente perceber junte outras instituições quais as condições para isso acontecer. Se encontrar alguma opção mais vantajosa, não hesite. Além disso, essa é também uma informação fundamental no momento de negociar o empréstimo com o seu banco, já que a pode utilizar a seu favor.

4. ADOPTE UMA POSTURA ACTIVA
No momento da renegociação, não se limite a ouvir o que o banco tem para lhe oferecer. Seja activo e adopte uma postura assertiva. Sugira opções, dê soluções e mostre que está empenhado em encontrar uma opção válida para ambas as partes. No entanto, não faça propostas irrealistas. Seja razoável, sensato e inteligente.

5. ANALISE ANTES DE ACEITAR
Não aceite imediatamente a proposta do seu banco, mesmo que lhe pareça vantajosa. Peça tempo para reflectir e analise-a bem em casa, com tempo. Faça bem as contas, contabilize as taxas de juro e compare as parcelas propostas. É importante ter a certeza antes de tomar a decisão final.

6. NÃO SE INTIMIDE
É provável que o banco se aproveite da sua situação de fragilidade para procurar uma renegociação mais vantajosa para si. No entanto, não se intimide. Seja assertivo e mantenha a sua posição, de acordo com os cálculos que fez. Você sabe melhor que ninguém qual a situação mais realista para si. Além disso, se não conseguirem chegar a acordo, não tenha receio de pedir ajuda exterior e especializada. Principalmente para casos de endividamento elevado, existem instituições como a DECO que disponibilizam ajuda gratuita.

7. SEJA RESPONSÁVEL
Após alcançar uma renegociação da dívida vantajosa para si, não se distraia. O processo não termina aí, uma vez que a dívida não vai desaparecer. Por isso, deve adoptar uma postura responsável e inteligente na sua vida, para que não repita a armadilha. Ou seja, corte nos gastos supérfluos, invista sensatamente e controle as suas finanças. Provavelmente não terá outra oportunidade de negociar o crédito se as coisas correrem mal por uma segunda vez.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Duvidas? Pergunte-nos.